Implantodent - Próteses

Veja abaixo os vários tipos de próteses:

Veja abaixo algumas informações interessantes:


Núcleo:
É necessário quando do dente só restou a raiz ou apenas uma pequena parte da coroa (parte do dente que fica para fora da gengiva). Pode ser feito fundido em metal ou a partir de um pino pré-fabricado associado a um material restaurador. O núcleo vem a ser a “ base” sobre a qual é cimentada a coroa.

Hoje existem sistemas de pinos pré-fabricados que permitem técnicas seguras, com menor desgaste da parte interna do canal do dente e promovendo melhor retenção que os tradicionais núcleos fundidos. Tem também a vantagem de ser confeccionado em uma só sessão, sem necessidade de moldagem do canal para posterior cimentação do núcleo. Isto diminui o número de sessões necessárias para concluir o tratamento sem comprometer a qualidade.

Provisórias:
As próteses provisórias são parte integrante do tratamento, já que elas servem como protótipo das próteses definitivas. Por isso não se deve desprezar a importância destas próteses. A partir de uma prótese provisória bem confeccionada é que se tem a certeza do sucesso do tratamento definitivo. As principais funções das provisórias são:

* Manter a estética durante o tratamento(em nenhum momento do tratamento o paciente necessita ficar sem os dentes;
* Manter a gengiva em posição, evitando que esta “suba” sobre o dente preparado;
* Manter o dente em posição, evitando que se movimente para os lados ou na vertical, por falta de apoio;
* Proteger o dente contra bactérias e alterações térmicas;
* Servir de referência estética e funcional para as próteses definitivas;

Para cada tipo de prótese definitiva existe uma prótese provisória, ou seja, coroas, facetas, blocos, pontes fixas, pontes móveis, dentaduras e próteses sobre implantes, todas podem receber as provisórias.

Prótese parcial fixa:
Quando se perde um dente incluindo sua raiz, e por algum motivo não esteja indicado um implante, a solução mais natural é uma prótese parcial fixa, que utiliza como apoio os dentes vizinhos. Estes devem ser recobertos com coroas metálo-cerâmicas que ficam unidas ao dente perdido. Este dente fica apoiado então nos dentes vizinhos, devolvendo a função e estética. O dente “falso” fica próximo à gengiva, praticamente encostado, o que pode possibilitar uma estética satisfatória. Para esse tipo de prótese é importante observar um cuidado maior ainda com a higiene, principalmente sob o dente “falso” e nos dentes "pilares”, para evitar cáries ou problemas gengivais.

Coroas In-ceram e All-ceram (porcelana pura reforçada):
Desenvolvidas mais recentemente, as coroas in-ceram estão indicadas em dentes unitários, possibilitando obter o máximo de estética e naturalidade. Esse tipo de coroa tem uma infra-estrutura também de porcelana, ao invés de utilizar metal. Porém essa porcelana é muito mais resistente a cargas que uma porcelana comum, devido à alta tecnologia empregada na sua confecção, tornando-a muito mais “compacta”. Sobre essa infra-estrutura de porcelana reforçada é aplicada a porcelana mais estética, na cor e forma dos dentes. Por não apresentar o metal por baixo, a translucidez ( transparência) desse material pode se assemelhar ainda mais ao dente natural, evitando áreas opacas (esbranquiçadas), principalmente na borda da coroa, no colo do dente (região próxima à gengiva). Também pode ser uma opção interessante quando existe algum tipo de alergia ao metal. Diferente das antigas coroas de porcelana pura, que eram frágeis, as coroas in-ceram têm a mesma resistência que as metálo-cerâmicas em casos unitários. Exige uma tecnologia sofisticada de laboratório, porém tem uma adaptação excelente e elimina toda e qualquer possibilidade de visualização de metal nos dentes.

ORIENTAÇÃO
Não se deve remover a prótese ao dormir, desde que ela apresente condições de retenção, suporte a estabilidade e não esteja causando nenhum desconforto aos dentes ou aos tecidos gengivais.

Prótese Parcial Removível
Ponte removível é um aparelho protético que substitui os dentes naturais perdidos em arcadas nas quais ainda permanecem alguns dentes naturais, portanto, com perda parcial de dentes. É chamada de removível porque pode ser retirada pelo portador no momento que este desejar.
De um modo geral, as PPRs são indicadas para casos de perda de um número grande de dentes e, principalmente, quando ausentes os últimos dentes (dentes posteriores).
Este aparelho se fixa na boca através de grampos "semiflexíveis" metálicos apoiados em dentes naturais (dentes pilares) e por um perfeito assentamento do aparelho sobre a gengiva das áreas desdentadas.
Os grampos não estragam os dentes naturais. Eles devem ser feitos com técnicas corretas e o portador deve higienizá-los cuidadosamente, bem como os dentes naturais e o aparelho, pois o que causa a cárie é a placa de bactérias que se fixa no dente natural e nas superfícies dos grampos. Sem a presença dessa placa bacteriana, o dente se manterá sadio (com ou sem grampos).
A prótese deverá ser removida para limpeza sempre após a ingestão de alimentos. Deve-se utilizar escovas especiais que facilitem a limpeza das superfícies internas - por exemplo, escova cilíndrica, do tipo usado para limpeza de armas. Remover bactérias, fungos e restos de alimentos do aparelho é tão importante quanto a limpeza dos dentes naturais. Para todo paciente portador de próteses, é necessário fazer visitas periódicas ao dentista, já que é considerado paciente dentado. De uma forma profissional, é preciso verificar o funcionamento da prótese e fazer a higienização dos dentes e do aparelho.
Uma PPR é mais eficiente na mastigação quando o seu número de dentes artificiais é pequeno. Quando é dento-suportada, isto é, quando existem dentes naturais nos dois extremos vizinhos ao espaço desdentado, e quando os dentes do arco antagonista são naturais ou próteses fixas.
A adaptação é fácil quando ela for bem executada e o portador tiver um mínimo de paciência para a adaptação e acomodação.

COROA METÁLO-CERÂMICA:
É uma cobertura de todo o dente com uma camada de metal sobre a qual é aplicada porcelana estética. É um tratamento utilizado desde os anos 70, já bastante sedimentado e com boa durabilidade e estética. A porcelana não se desgasta com o tempo e não sofre alteração de cor, diferente das resinas, que antigamente usava-se para coroas com uma grande parte metálica e apenas a parte estética em resina. Está indicada para restaurar dentes unitários, ou como retentor (pilar) de uma prótese parcial fixa (ponte fixa). Propicia estética e função adequadas desde que executada com os devidos cuidados, relativos à adaptação (mínimo espaço entre a coroa e o dente), cuidados de higiene, e forças mastigatórias equilibradas.

Prótese Adesiva Estética:
Trata-se de uma ponte fixa utilizada também quando não se puder executar um implante, porém deseja-se alcançar uma estética máxima. O dente artificial a ser reposto fica fixado aos dentes vizinhos através de blocos estéticos reforçados com uma estrutura interna de fibra de vidro de alta resistência.

A aparência estética é muito boa e pode-se manter os dentes pilares com pouco desgaste para acomodar os blocos.

Prótese Adesiva convencional: É também uma ponte fixa, porém está indicada quando não se pode realizar um implante e deseja-se preservar ao máximo os dentes vizinhos (desde que estes estejam íntegros). Trata-se de um dente fixado sobre os dentes vizinhos através de “braços” metálicos. O desgaste necessário nos dentes pilares é mínimo e normalmente fica a nível de esmalte (a camada mais externa do dente).

Prótese Total (Dentadura)
Apesar do advento dos implantes, em alguns casos não podem estes ser indicados como primeira escolha, por motivos como custo mais elevado, deficiência óssea, ou problemas de saúde geral que contra-indiquem a cirurgia. Por isso em alguns casos ainda indicamos a Prótese Total (dentadura) para substituição dos dentes perdidos. Uma prótese total bem executada deve respeitar alguns fatores como:

* Área máxima de suporte (apoio adequado para distribuição da força sobre a gengiva),
* Dimensão vertical correta (antes de montar os dentes, verificar a quantidade de abertura da boca, para que não fique com pouca abertura, que pode acentuar as rugas e projetar o queixo para frente, nem com muita abertura, o que pode fazer com que a prótese fique desconfortável para comer e também para falar).



s