Implantodent - Implantes

Os dentes são importantes para a mastigação, fala e estética facial. Sua perda pode acarretar dificuldades físicas, psicológicas e sociais. Substitua dentaduras e pontes móveis por pontes fixas, dentaduras abotoadas ou reponha 1 ou mais dentes perdidos através do Implante.

O que é Implante?

O implante é um sistema instalado no osso alveolar remanescente, com o objetivo de reproduzir a função de uma ou mais raízes dentárias que foram perdidas. O implante em si não é um dente artificial completo, mas sim, a raiz e sobre este, será construída uma prótese dentária (uma coroa), com alicerce baseado por um ou mais implantes (parafusos ou cilindros). O protocolo de um sistema de implante envolve, portanto, duas etapas distintas: A etapa cirúrgica, quando são instalados os parafusos ou cilindros (implantes) e a segunda fase protética, quando da elaboração da prótese sobre o implante ou implantes

Do que são feitos?
Os parafusos ou cilindros são elaborados com materiais que não produzem rejeição ou reação indesejável, ou seja, são biocompatíveis, podendo permanecer dentro do corpo humano. A grande maioria dos implantes de última geração, na odontologia contemporânea, são produzidos em titânio, oferecendo altíssima resistência e um altíssimo grau de biocompatibilidade.

Como funcionam?
Se instalados no organismo, haverá a osseointegração, ou seja, estaremos promovendo uma conexão rígida entre o tecido ósseo integro vivo e a superfície de um implante, evidentemente, após uma série de etapas biológicas.Este processo pode variar no tempo em que se consegue a osseointegração, dependendo de alguns fatores, na mandíbula (maxilar inferior), 4 meses e na maxila (maxilar superior), 6 meses.



Neste período, os implantes permanecem sepultos (dentro do osso), protegidos de cargas ou movimentações e serão ativados, quando a osseointegração se completar. Neste período, em que é esperada a osseointegração, podemos utilizar uma prótese provisória, que não estará fazendo apoio aos implantes.



Como são instalados?
Os implantes dentários são constituídos de titânio e possuem a forma de parafusos ou cilindros, que são instalados no osso alveolar remanescente, podendo ser instalados na mesma região onde estava o dente ou os dentes perdidos. A colocação destes se faz, através de cuidadoso preparo de um orifício, imitando o espaço onde o dente se alojava, dentro do qual, o implante é parafusado ou encaixado por pressão, com grande precisão. O implante, então, permanece durante um período de 4 a 6 meses, dependendo da região (região inferior e região superior, respectivamente), recoberto apenas pela gengiva, esperando a completa fase biológica, a osseointegração. As técnicas de colocação de implantes, apesar de complexas e sofisticadas, são sempre muito delicadas, envolvendo instrumental sofisticado e conhecimento profissional. São realizados com anestesia local, na grande maioria dos casos, sem maiores sofrimentos do paciente. O pós-operatório é favorável, sem qualquer processo doloroso, que não seja debelado por analgésicos ou outros medicamentos.

Cuidados necessários do paciente: A correta higiene bucal;
As cargas mastigatórias em excesso;
Visita semestral ou segundo a indicação do profissional para acompanhamento do sistema de implante.

O tratamento bem realizado desde o planejamento inicial e tendo a cooperação do paciente durante e após a conclusão, oferece um índice de sucesso superior a 96%, proporcionando uma imensa melhora na qualidade de vida dos pacientes que tenham perdido um, muitos ou todos os dentes, e é, no presente momento, uma notável forma de reabilitação.

Qual é a duração de um implante?
Muita gente pergunta sobre o tempo previsto para que um implante permaneça na sua função - Quanto tempo dura? Os implantes contemporâneos são constituídos de materiais muito resistentes (titânio) e desenhados para suportar as cargas da mastigação, quando bem distribuídas pelo profissional capacitado, por muitos e muitos anos. A maior parte das complicações, quando ocorrem, são falhas surgidas do próprio organismo e que aparecem ao redor dos implantes, conhecidas como "peri-implantite", podendo resultar na perda do sistema.

Esta situação pode ser causada pelas seguintes razões:
* Sobrecarga mastigatória sobre implante
* Má higiene em relação ao implante e dentes vizinhos
* Planejamento e colocação do implante não satisfatório, mal planejado.

Dessa maneira, acredita-se que acima de 96% dos implantes osseointegrados permaneçam saudáveis por, pelo menos, 5 anos, mas, desde que, sejam seguidos os cuidados necessários, poderão ultrapassar 20 ou 25 anos em plena função, devendo apenas ser substituídas as próteses sobre os implantes, devido ao desgaste.Tem que se levar em conta que as estimativas e estatísticas devem ser entendidas apenas como referência, não devendo assumir um contexto de garantia total pelos múltiplos fatores que são caracterizados cada caso e cada paciente em suas individualidades e características.Como se pode perceber, o sistema de implante osseointegrado representa um tratamento com grande confiabilidade, dependendo não somente da competência e capacidade do profissional , mas também e, principalmente. da participação efetiva do paciente em todas as etapas do tratamento e ao longo de sua vida.

Como é o acionamento e a prótese?
Alcançada a osseointegração, será realizado o procedimento de acionamento ou ativação do(s) implante(s), que é a inter-relação de uma peça de titânio, ou seja, um cicatrizador que poderá ter ou não a função de suporte para a prótese dentária. O ato cirúrgico envolvido, muitas vezes, é uma pequena incisão na gengiva e, dependendo do caso, poderá estar cobrindo o implante. A partir de agora, inicia-se a fase protética, onde iremos elaborar a prótese sobre o implante.

Pode ocorrer insucesso?
Mesmo com o grande avanço tecnológico e do alto nível da implantologia que é realizado no momento, não se consegue atingir um índice de 100% de sucesso. Dentro de cada 100 implantes que se realizam, 4 ou 5 podem apresentar problemas e são um insucesso, por fatores individuais de alguns pacientes. Ainda assim, é importante frisar que existem algumas formas de se tentar contornar tais perdas, através de vários procedimentos, incluindo a recolocação de um novo implante. Independente do êxito destes procedimentos, podemos afirmar que os riscos decorrentes de um insucesso de um implante, limitam-se a fenômenos biológicos poucos severos como: (inflamação local, sensibilidade, sangramento, etc.) E desde que sejam, prontamente, identificados e tratados, não colocam a saúde do paciente em risco.

Qual é o período de cicatrização / integração?
Além de não poder receber cargas ou movimentações imediatas, talvez seja necessário algumas recomendações e cuidados especiais durante a osseointegração. É importante a observação do paciente pelo profissional neste período. É preciso que o paciente retorne para consultas de avaliação e controle, ou seja, no período de 4 ou 6 meses. Durante esta etapa, o paciente poderá utilizar uma prótese provisória, fixa ou removível e que não deverá jamais apoiar ou pressionar os implantes antes do período da obtenção da osseointegração.